Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
Esporte

Tite arrisca inglês, afaga Rivaldo e fala de jejum: "Neste momento de pressão é que precisa de técnico"

Coréia do Sul

Publicada em 18/11/19 às 17:57h - 21 visualizações

por Imprensa CBF


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Tite concedeu entrevista e se aventurou no inglês.  (Foto: )

"I´m not happy", disse técnico a jornalistas locais. Ele confirmou cinco mudanças, voltou atrás sobre pênalti em Messi e se disse tranquilo para jogo com a Coreia: "Sou muito feliz e realizado"

Na véspera do amistoso contra a Coréia do Sul, o último da Seleção neste ano, o técnico Tite concedeu uma longa entrevista coletiva nesta segunda-feira, que teve um pouco de tudo: bom-humor, respostas em inglês, temas espinhosos (como as críticas de Rivaldo) e análise sobre a má fase do Brasil, que não vence há cinco jogos.

Por mais de um momento, Tite falou que a Seleção passa por etapas de construção necessárias, mesmo que os resultados o sufoquem e tragam contestações a seu trabalho.

Ao lado de Cesar Sampaio, o treinador respondeu perguntas de jornalistas brasileiros e estrangeiros por 50 minutos. Em alguns momentos, ele dispensou o tradutor – "I´m not happy", disse sobre a fase da Seleção – e em outros fez intervenções para comentar assuntos que não foi perguntado, como o pênalti em Messi na última partida.

– Foi pênalti. Infelizmente, foi, é uma forma dura, foi acidental, mas acidental também é.

A partida contra a Coréia do Sul acontece no estádio Mohammed bin Zayed, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, às 10h30 (de Brasília).

Para este duelo, Tite confirmou cinco modificações em relação ao time que começou a partida contra a Argentina. O Brasil vai a campo com: Alisson, Danilo, Marquinhos, Militão e Renan Lodi; Fabinho, Arthur e Paquetá; Gabriel Jesus, Coutinho e Richarlison.

A formação foi mostrada em treino aberto, uma decisão tomada segundo o treinador para "deixar de tomar pau" da imprensa.

Questionado sobre a defesa do trabalho por parte dos jogadores, que chegaram a falar que ofereciam a vitória nesta terça ao treinador, Tite preferiu mudar o enfoque.

– Mais do que um afago para mim é para todo o trabalho desenvolvido. Fundamentalmente, eles sabem que devem fazer por si. É por eles, pela família deles e também pelo nosso trabalho. Volto a dizer: sei muito bem onde estou e que etapa de construção precisam ser feitas. Meu histórico me credencia, preciso passar para eles – disse o treinador, lembrando que as críticas são absorvidas com naturalidade.

O treinador da Seleção também foi perguntado sobre as críticas de Rivaldo, pentacampeão pelo Brasil, que em post no Instagram reprovou a escolha de Tite por Paquetá como camisa 10.

– Opinião eu respeito, eu não opino. Opinião aprendi a respeitar, assim como tenho opinião clara sobre o Rivaldo, ele jogava muito, cara. Vem na minha cabeça aquele lance que ele domina no peito e faz aquele golaço pelo Barcelona.

"Rodrygo é com calma"

Tite disse que, mesmo sem grandes atuações, era hora de dar novas chances a alguns jogadores convocados. Citou Paquetá, que errou algumas bolas no início da partida, e confidenciou a conversa entre os dois depois da derrota para a Argentina.

– Tenho que entender esse processo, não tenho que confrontar ideias, tenho que ter as minhas ideias. São 30 anos de carreira, me lastreio, esse processo é importante para acertar lá na frente, necessário. Como avaliar o Militão? Botando para jogar. Como vou avaliar Paquetá? Botando em campo.

Ao ser indagado sobre outras chances – na primeira partida, ele fez seis alterações, todas permitidas –, Tite pregou paciência com o atleta mais jovem no grupo: Rodrygo, de 18 anos, do Real Madrid.

– Rodrygo é com calma, senão eu... O fato até de ter entrado no jogo (Argentina) foi um plus extraordinário. Estão entrando atletas mais rodados, que tem naturalidade maior. Tem o momento certo para fazer a coisa certa. Com 58 anos e tenho que ter responsabilidade, não posso exigir que um garoto de 18 anos tenha essa maturidade – afirmou Tite.

O treinador ainda respondeu sobre os 50 anos do milésimo gol de Pelé, a quem tratou como incomparável, falou mais a imprensa local sobre sua passagem como treinador no Mundo Árabe e abordou mais trocas de jogadores e de sistema.

Confira outros trechos da coletiva de imprensa de Tite

Mudanças de sistema

– Houve mudanças nesses seis jogos. A gente vem fazendo sistematicamente, com mudanças de nomes, de posições, com Coutinho jogando com Neymar, com Gabriel. Daqui a pouco sem Neymar, com Coutinho por fora, no 4-1-4-1... (A fase), ela é dura, mas é inevitável para ali na frente ter uma referência importante e nos jogos decisivos e saber com quem contar.

Lodi, Paquetá, Fabinho, Coutinho e Richarlison

– Já estava previsto que o Lodi entrasse. Ele já tinha entrado bem nos jogos. O Fabinho construiu essas etapas, quando entrou foi bem, traz essa confiança do clube para a Seleção, produziu o seu normal, numa função que exerce no Liverpool. O Paquetá é oportunidade de sequência. Richarlison prefere jogar de 9. O Richarlison e o Gabriel Jesus viram de costa para os armadores, não viram de frente, eles não querem tabela, querem profundidade. Ter Coutinho de lado é voltar para onde mais produziu. Richarlison falou que na Seleção prefere jogar de 9 e está produzindo bem, é um jogador terminal, de capacidade de conclusão muito grande.

Cesar Sampaio fala da Coreia do Sul

– A seleção da Coreia a gente tem analisado, é uma equipe que deve ser respeitada, com jogadores principalmente na fase ofensiva de mobilidade e qualidade técnica, tendo o Son como o jogador cérebro da equipe. Como dentro do modelo da Argentina joga o Messi, pela Coreia joga o Son. Dentro do planejamento nosso, pós-Copa América definimos adversários mais fortes, a Coreia entre nesse hall, um adversário que vai agregar um modelo de jogo diferente para as variações que o Tite quer experimentar.

Fase anterior

– Tivemos numa fase anterior à Copa América uma fase como essa. O que fizemos? Uma construção que teve oscilações de desempenho, mas um resultado que gerava uma tranquilidade na sequência. Ouvi diversas vezes que oscilou muito. Mas era um momento de construção. Momento de Eliminatórias, Copa América e Mundial, une os três, a exigência do resultado é maior. Ter o resultado para transpor a ele com uma tranquilidade maior, senão fico com o falso diagnóstico, meu discurso é passar tranquilidade a eles, para que eles possam produzir o seu normal.

Faltam opções?

– Deixa essa geração se firmar, somos campeões da Copa América, a equipe se reinventou rapidamente, surgiu Cebolinha... não pode vir Felipe Luis, mas tem o surgimento do Lodi. Deixa criar. Ele foi para o Atlético surpreendentemente tem o Lodi crescendo. São processos, etapas.

"Não tem desespero"

– Desesperado não estou. Sou um cara muito feliz e realizado. Sei das pressões, mas não tem desespero. Sou um cara bem resolvido em relação a isso. Tem a busca de fazer um grande jogo, fazer um grande espetáculo, que a gente ganhe e jogue muito. Que a Coreia jogue muito, mas a gente saia vencedor."

Caminhada até a Copa

– Três anos é um tempo muito longo. Tivemos reconstrução de time na fase de Eliminatórias. Depois, alguns atletas decaíram e tiveram problema de lesão, ela (equipe) teve de se reinventar no Mundial. Após o Mundial, teve fase de reciclagem e oportunidades e foi para Copa América. Agora, é momento de oportunidade e novos talentos vão surgindo. Tomara que a gente tenha uma equipe forte, estruturada, por isso existe esse momento, que é duro. Nesse planejamento, talvez só tenha saído contra a Nigéria, que a gente colocou acima de tudo. Em todos os outros, nossa busca foi oportunizar, rodar, deixar sistema, combinação... Nos preparar para que ali na frente ela seja forte de novo, consolidada de novo, em cima desse diagnóstico que foi feito.

Messi x Pelé

– O Pelé é incomparável. Qualquer pessoa que queira comparar o Pelé com qualquer atleta, eu escuto mas não ouço. É um cara que não viveu a história, não procurou acompanhar a história de como o cara é genial. Messi é extraordinário, mas entre os humanos. Pelé está fora dos padrões normais, não falo porque sou brasileiro, quem vê a história, pela magnitude, pelas valências técnicas individuais, cabeceio, ambidestro para bater, na impulsão, na força. Me encontra um defeito? Não tem. O cara que for comparar já perde credibilidade, entra num ouvido e sai no outro. Fora o carisma extraordinário.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (24) 9 9223-5876

Visitas: 27573
Usuários Online: 12
Copyright (c) 2019 - Manchete Jornal - Atendimento de segunda a sexta das 8h às 12h e das 13h às 18h.